Vencer o ‘anjo da morte’ | xilogravura

Detalhe da matriz gravada à buril.

Vencer o ‘anjo da morte’, xilogravura de topo (pitangueira), ARBalsini, 2020 (in progress)

Overcoming the angel of death

This is one of the 72 names of god

At this time, seems like a good opportunity to meditate on that…

Nithael is another expression of this name… and 54 is its number

In kabbalah, the angel of death is not only physical death, but also about the death of initiatives, enterprises, and work, in the various spheres of life

In other words, it is about overcoming the principle of decay that acts on all things… and it is about overcoming our own desire to receive infinitely…

It seems that we must find the desire to donate in our hearts.

Exposição | Pequenos Experimentos Gráficos com o Alumínio

Fonte: http://ccaluminio.com.br

Convite para exposição coletiva de gravuras em pequeno formato!

Parabéns a todos os colegas de oficina, expositores e organizadoras !

 

Para mim, essa mostra foi uma inesperada e positiva surpresa…!

Participo com uma pequena gravura inspirada pela paisagem do Rio de Janeiro… paisagens da memória…

20200220_182946

matriz de alumínio, exposta no CCAL.

 

Gravura em alumínio | ponta-seca e ácido direto

20200206_153551

#1 acima: Prova de estado, 1st p.

20200206_153559

#2 acima: matriz em alumínio; segunda aplicação de ácido direto sobre a chapa.

20200206_163302

#3 acima: última print da sequência.

Calcografia, ponta-seca e ácido direto sobre chapa de alumínio

‘Espelho dos Dois Irmãos’, ARBalsini, 2020.

&&&

Depois de um longo tempo sem postar por aqui, retorno… para os poucos que acompanham este blog, uma explicação… o doutorado tem tomado todo o meu tempo (e pensamentos…)

Esta imagem é resultado da participação em oficina no Centro Cultural do Alumínio – CCAL, sob a coordenação de Helena Freddi, com a Bruna Kim e a Julia Bastos. Os trabalhos participarão de exposição na sede do CCAL.

Sobre a imagem… não se trata de uma representação exata do morro Dois Irmãos… não é uma paisagem real… o desenho foi feito de memória, diretamente sobre o alumínio… uma memória idílica, um retorno ao tempo perdido… saudades. Uma paisagem interna, eu diria…

Cartografando Mário II

 

Imagens da Oficina ministrada na Casa Mario de Andrade, em parceria com a Professora Isabel Villac… meus agradecimentos ! Muito honrado pelo convite

> (15/9 | Ler e desenhar interpretando, por Maria Isabel Villac e André Balsini).

CURSO: CARTOGRAFANDO MÁRIO DE ANDRADE: NAS FRONTEIRAS ENTRE LITERATURA E CIDADE (11 de agosto – 24 de novembro de 2018)

(coord. Volia Regina Costa Kato e Maria Isabel Villac).

“O museu Casa Mário de Andrade e o grupo de pesquisa Cultura (s) e Cidade: Teoria e Projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Mackenzie – FAU-Mackenzie convidam para o “Projeto de Extensão”  voltado para estudantes, profissionais – arquitetos e urbanistas, literatos, artistas, antropólogos, historiadores, geógrafos – e público mais amplo interessado na relação entre literatura, arquitetura e cidade.

A proposta envolve leituras do território e uso público das arquiteturas da cidade, a partir da interpretação de textos e fotografias de Mário de Andrade sobre a cidade de São Paulo. As atividades serão desenvolvidas em mesas temáticas, leituras programadas, andanças e cartografias do território, coleta de material em arquivos históricos e oficinas de trabalho e de proposições, com exposição pública dos resultados.”

fonte: http://www.casamariodeandrade.org.br/programacao-cartografando-mrio-de-andrade

Cartografando Mário

LOKN3819

Buril, estilete e lixa sobre PVC cristal, Mário, ARBalsini, 2018.

Elemento de maquete para o curso de Extensão Cartografando Mário (2018), que acontece no museu Casa Mário de Andrade em parceria com o grupo de pesquisa Cultura (s) e Cidade: Teoria e Projeto, da FAU-Mackenzie.

CURSO: CARTOGRAFANDO MÁRIO DE ANDRADE: NAS FRONTEIRAS ENTRE LITERATURA E CIDADE (11 de agosto – 24 de novembro de 2018)

(coord. Volia Regina Costa Kato e Maria Isabel Villac).

Museu Casa Mário de Andrade e  grupo de pesquisa Cultura (s) e Cidade: Teoria e Projeto – FAU-Mackenzie.

“A proposta envolve leituras do território e uso público das arquiteturas da cidade, a partir da interpretação de textos e fotografias de Mário de Andrade sobre a cidade de São Paulo. As atividades serão desenvolvidas em mesas temáticas, leituras programadas, andanças e cartografias do território, coleta de material em arquivos históricos e oficinas de trabalho e de proposições, com exposição pública dos resultados.”

fonte: http://www.casamariodeandrade.org.br/programacao-cartografando-mrio-de-andrade

expo | macunaíma

 

 

exposição Macunaíma, dia 3/8. Alguns registros da abertura e imagens das obras.

gostaria de expressar meus agradecimentos à organizadora da mostra, Altina Felício, pela oportunidade de participação na coletiva… e também pela extrema gentileza ! … agradeço também à amiga e colega de gravura Helena Bononi !

obras belíssimas compondo a mostra… muito honrado de participar !

a exposição foi inaugurada com apresentação do conjunto musical Mosaico.

participamos com 3 xilografias de 2015, gravadas em matriz coletiva na Casa Mario de Andrade, onde acontecia, na época, a oficina de xilogravura em grande formato do prof. M. Périgo… o tema era justamente Macunaíma…

integramos à mostra a litografia ‘OcA’, de 2018, em referência às raízes do personagem de Mário de Andrade…

convite macunaíma

agradecimentos pela presença ilustre dos amigos, e professores, Alessandro Muzi e Lucimeire Pessoa.

PS: muito legal conversar pessoalmente com as artistas Ana Maria Niemeyer e Pitiu Bomfim… muito gentis ! … e com belos trabalhos em mostra. Na imagem mais aberta, em primeiro plano, uma bem bolada gravura tipográfica da Joyce Melguiso, a preguiça de macunaíma sob a forma de rede indígena…!

em cartaz até 4/9,  na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM), na USP.